quarta-feira, 30 de maio de 2012

Jeb Direto ao Ponto #2 - Paquera no Trabalho

No Jeb Direto ao Ponto desta semana, temos uma situação recorrente nas organizações brasileiras: a paquera no trabalho
Insinuações e tentativas de paquera não são necessariamente consideradas assédio sexual, que por sua vez é um tipo de coerção de caráter sexual praticada geralmente por uma pessoa em posição hierárquica superior em relação a um subordinado (mas nem sempre o assédio é empregador - empregado, o contrário também pode acontecer), normalmente em local de trabalho ou ambiente acadêmico. O assédio sexual caracteriza-se por alguma ameaça, insinuação de ameaça ou hostilidade contra o subordinado. (fonte: Wikipedia)


Vamos à história da leitora:


"Jebeando, 
Trabalho em uma empresa há 8 meses, e desde que entrei tenho muito contato com gerentes de diversas áreas.
Recentemente, um desses gerentes pediu meu telefone e, sem saber o que responder, passei meu número.
Minha chefe e algumas outras pessoas da empresa possuem meu celular para trocar mensagens por questões de trabalho e como temos muito contato não vi problema.
Acontece que desde que me adicionou ele veio com um papo estranho, falando para eu aparecer mais no prédio que ele trabalha, puxando papo...até falou para eu ser menos séria quando respondi em tom profissional.
A conversa foi mais ou menos assim:
- Ele: "Finalmente, por que demorou pra add? Rs. Tudo bem?Você faz o que da vida? Sua chefe é gente boa...blablabla...
- Ele: "Estuda onde? Ah...Você tem cara de ser muito estudiosa"
- Ele: "Você tem que vir mais no nosso prédio."
- Eu: "Ah...vou começar a ir mais sim. Temos um planejamento de visitar com mais freqüência as outras unidades, vou acompanhar minha chefe nas próximas vezes"
- Ele: "Tá bom, ótima semana"
E agora, o que faço?
Como faço para cortá-lo sem ser grossa?"


Cara leitora, 


Primeiramente, acostume-se a essa situação. Você a verá com mais freqüência do que gostaria, mas saiba que é possível tirar proveito dela (in a good or bad way).


"Opa, desculpa"
Muitos dizem que "onde se ganha o pão, não se come a carne", mas sabemos que isso não é exatamente verdade. Há estudos que apontam que o período de maior utilização dos motéis durante a semana é na hora do almoço executivoO trabalho é o lugar que você passa mais horas ao longo do dia - juntamente com sua cama (que dependendo de suas ambições, pode se tornar uma extensão do trabalho) - e paqueras, namoros e até casamentos surgem por lá.


Mas analisando a sua situação, apesar de uma ligeira ingenuidade por "não saber o que responder" quando o gerente pediu seu telefone, não havia muito o que fazer porque realmente trocar telefones na empresa é comum. 


Agora, quanto à sua dúvida, de como fazer para cortá-lo sem ser grossa, você tem as seguintes possibilidades:
1 - Contar pra sua chefe: Opção mais "mimimi" de todas
2 - Dar uma de louca: Você pode fingir que não bate bem dizendo que não gosta de sair, tem dificuldade de fazer amigos, é testemunha de Jeová e acredita no sagrado matrimônio e no Jeb* apenas como forma de procriação
3 - Pagar de comprometida: Mesmo não tendo namorado, essa é sempre uma opção de difícil verificação. "Aiiiiiiiiiii...como amo meu namô! Ele me mandou flores hoje! Lindo, lindo!"
4 - Dar trela até ele mandar uma mensagem comprometedora: Opção arriscada, mas você poderá tirar proveito para ameaçá-lo ou gentilmente pedir uma posição de confiança na área dele.


Pronto! Dependendo do seu perfil, você já pode escolher o que fazer.


Mas ainda há uma última possibilidade:
5 - Conforme-se, o mundo corporativo é assim mesmo.
Dê logo, aproveite e peça promoção pra área dele.

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Música para transar #3

Seguindo a sugestão de um leitor, eis a Música para Transar desta semana. 

Recomendo fortemente que a adicionem à Jeb List de vocês e a utilizem para criar aquele ambiente intimista após um jantar agradável, à luz de velas, se preparando para o Gran Finale.



"Lay where you're laying
Don't make a sound
I know they're watching (they're watching)
All the commotion
The kiddie-like play
Has people talking (talking)"

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Por que as mulheres insistem em namorar babacas?


Por Ana Carolina Prado

"Taí uma pesquisa que responde uma das grandes questões da humanidade: por que diabos as mulheres insistem em se envolver com bad boys (ou babacas ou boys lixo ou qualquer que seja a sua definição preferida para esse tipo de homem que é bonitão e cafajeste). E não estamos falando só em atração: que a gente geralmente acha esse tipo sexy, todo mundo já sabe e eu até já escrevi a respeito. O que pesquisadores da Universidade do Texas quiseram entender foi por que algumas de nós insistimos em transformar essa atração em um relacionamento de longa duração, mesmo sabendo que a chance de isso ser uma barca furada é enorme.

A resposta, segundo o estudo, está nos hormônios femininos e na bagunça que eles provocam na capacidade de julgamento das mulheres. Durante o período de ovulação, esses hormônios acabam influenciando a sua visão do que é um bom parceiro em potencial: elas passam a preferir os homens mais bonitos e sensuais e dar menos importância a fatores como a confiabilidade. (Dá para entender o porquê: homens lindos têm mais chances de gerar descendentes lindos, né?)

Os experimentos

Para chegar a essa conclusão (que está publicada no Journal of Personality and Social Psychology), os pesquisadores mostraram a mulheres perfis de sites de namoro de homens do tipo mais sexy e cafajeste e do tipo mais confiável (o que provavelmente significava que eram bonzinhos, mas não providos de tanto sex appeal). Elas tiveram que avaliá-los durante períodos de fertilidade alta e baixa e dizer, em cada uma dessas ocasiões, como achavam que eles se sairiam como pais caso tivessem um filho juntos.

Resultado: quando as voluntárias estavam sob a influência dos hormônios da ovulação, elas achavam que o homem mais sexy contribuiria mais para tarefas domésticas como cuidar do bebê, comprar alimentos e cozinhar. Segundo Kristina Durante, uma das autoras, nesse período “as mulheres se iludem em pensar que os bad boys se tornarão parceiros dedicados e pais melhores. Ao olhar para eles através dos ‘óculos da ovulação’, o Sr. Errado vira o Sr. Certo”.

Em um segundo teste, as coisas ficam mais interessantes (para as voluntárias): elas tiveram que interagir pessoalmente com atores do sexo masculino que fizeram os papéis de cafajeste sexy e pai confiável. Isso também aconteceu duas vezes, uma durante seu período de ovulação e outro durante baixa fertilidade. E de novo as mulheres na primeira condição acharam que o bad boy (e não o PAI confiável) contribuiria mais para o acolhimento de uma criança.

Mas olha o truque desses hormônios para empurrar as mulheres para os braços do boy lixo: a ilusão do bom pai só vale para a hipótese de eles terem um filho com elas, não com outra mulher. Quando tinham de responder que tipo de pai um homem assim seria caso tivessem um filho com outra pessoa, elas eram rápidas em apontar os seus possíveis defeitos. No entanto, caso elas próprias fossem a mãe, a coisa mudava de figura e os bad boys viravam um ótimo paipara seus filhos.

Então ficam as lições do dia:

1- Mulheres, fujam do boy lixo quando estiverem no período fértil se não querem correr o risco de se apaixonar e querer ter filhos com ele.

2- Mas não fiquem desesperadas se acharem que estão apaixonadas por um desses: vai ver é só coisa de hormônios

3- Boys lixo, agora vocês já sabem quando o seu poder sobre as mulheres fica maior. Mas atentem para os riscos.

Antes que comecem reclamações por aqui, deixemos claro que a ideia não é promover nenhum tipo de preconceito contra ninguém (até porque a própria ciência está aí para provar que a gente gosta e tal – e somos fãs do Barney Stinson, personagem de “How I Met Your Mother” que representa muito bem o tipo cafajeste). Como bem disse a pesquisadora Kristina Durante, boy lixo ou não, “nunca dá para saber quando o cara é o certo para nós“."

Fonte: Super Interessante

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Jeb Direto ao ponto #1

Inaugurando a seção "Jeb Direto ao Ponto", aproveitei a indicação de uma leitora que curtiu o texto do blog Prazamiga - que depois descobri ser escrito por um pedzão* - para analisá-lo à moda do Jebeando. A situação abaixo pode acontecer com muitas mulheres 9vinhas, por isso vale a pena prestar atenção nas dicas!


Da leitora que tomou um fora por ser virgem
“Enfim, quero ir direto ao assunto pra não ficar muito extenso. Então, há cerca de 3 meses conheci um carinha super gente boa, inteligente, bem humorado, bonito (no estilo exato que me agrada)… um fofo mesmo, sabe? Ele me trata SUPER bem, é atencioso, carinhoso e etc., mas, como temos vários amigos em comum, algumas pessoas já vieram me dizer que ele era meio “come quieto”, sabe? É gente boa mas tem vários esquemas por aí e não vale muita coisa. Como eu estava muito interessada nele e ele só vinha demonstrando exatamente o contrário do que disseram, não dei ouvidos e continuei investindo na relação. O problema é que, por uma questão de incompatibilidade de horário mesmo, é bem difícil pra gente sair. E ele cobra MUITO isso. Mas não é bem aí que eu quero chegar… Nesse tempinho que nos conhecemos, passamos a ter um pouco mais de intimidade e, umas duas vezes, falamos abertamente sobre sexo no telefone. Eu falei que achava tais posições o máximo, que gostava de fazer isso e aquilo outro. Ok, como eu estou mesmo interessada nele, uns dias depois de termos essas conversas, confessei pra ele que era virgem. Tenho 20 anos e nunca dei porque não quis mesmo. Eu tinha CERTEZA de que a reação dele seria positiva — afinal, sabemos que, hoje em dia, encontrar uma menina de 20 anos virgem, é raridade e se tem uma coisa que homem adora é o tal do “cabaço” — mas fui surpreendida com várias ofensas. Ele disse que eu era uma mentirosa, dissimulada, falsa, e que havia perdido o respeito por mim simplesmente pq eu não havia falado sobre esse assunto antes… Acredita? Ele disse que eu fui bem “clara” nas vezes que falamos sobre sexo e isso deu a entender que eu era uma arrombada. Hahahaha. Sem mais delongas, Ande, não sei o que eu faço. Agora o boy tá me detestando, me ignorando e eu só me fudendo porque tô bem interessada nele. E aí? Será que eu errei mesmo em não ter dito logo no começo que era virgem? Mas entenda que eu não me sentia à vontade antes… Bem, preciso de uma help antes que o boy desapareça de vez! Beijos e muito obrigada!”


Mas e daí? Daí que a moça quer umas dicas pra voltar com o cara.
Então vamos ajudá-la, elucidando seus maiores erros:


1 - Vendeu sashimi de atum, mas só tinha salmão: 
Você vendeu o peixe errado. Você mesma admitiu que o cara curtiria o fato de ser virgem e dele poder tirar seu selinhoEntão pra que passar uma imagem de "rodada"?
Tudo bem que você achou que era legal falar de putaria com ele - sem ter experiência alguma, diga-se de passagem. Mas convenhamos, tem que saber a hora de parar...


2 - Incoerência (vide Incoerência Jebística):
Mesmo se o cara caísse no seu "trote da piriguete", você teria que ser uma bela atriz e continuar fingindo muito bem que tinha toda aquela bagagem sexual. Imagina se a coisa começasse a esquentar e ele pedisse pra você chupá-lo? Já tentou disfarçar sua cara de "nojinho"?






3 - Síndrome da Mulher de Malandro:
O cara te chama de arrombada e você ainda quer perder a virgindade com ele? Se você  fantasia que ele vai te comer, se apaixonar, namorar e casar com você...fique ciente que isso não vai rolar NEM FODENDO, literalmente.


4 - Tenho 20 anos e nunca dei porque não quis mesmo:
Bullshit. Não me venha com esse papinho de "nunca dei por opção".
Por opção dos homens, só se for.


Bom, às vezes a verdade dói. Mas deve doer menos que ser virgem e ser tratada como "arrombada" na hora do vamovê.


Se você também tem alguma dúvida, pergunte ao Jebeando!
jebeando@gmail.com

terça-feira, 15 de maio de 2012

Música para transar #2

Após terem elogiado o post Dica de Música anterior, o Jebeando resolveu focar numa área que é sua especialidade: Músicas para Transar.
Já escrevi aqui sobre a importância de se ter uma Jeb List preparada para a hora do sexo, já que nunca se sabe quando precisará usá-la.

Para entrarem no clima, escutem a música abaixo que acompanha muito bem a leitura deste sábio texto: Dar ou não dar no primeiro encontro?


E você? Tem alguma música para indicar ao Jebeando? Deixe seu comentário!

domingo, 13 de maio de 2012

Ode às MILFs



Mãe do Stifler
Este post é uma singela homenagem do Jebeando às mães gostosas do Brasil.


E já que hoje é Dia das Mães, por que não enaltecer as MILFs?


MILF é um acrônimo em inglês que significa "Mother I'd Like To Fuck" (em português, "Mãe que eu gostaria de foder"), e refere-se a um fetiche sexual com mulheres mais velhas com idade suficiente para serem mães de determinados parceiros mais jovens. Geralmente uma MILF tem a faixa etária entre 35 a 50 anos. O termo, anteriormente já usado na internet, e cujo mais antigo registro data de 1995, foi popularizado no final da década de 1990 pelo filme American Pie, através da interpretação da personagem Janine Stifler, que era a atraente mãe de um dos personagens, Stifler, sendo cobiçada pelos amigos do filho.*


Fato é que as MILFs habitam as mentes pervertidas de homens de todas as idades. Afinal...
- Quem nunca desejou a mãe gostosa de um amigo?
- Quem nunca pegou uma "tiazinha" na balada?
- Quem nunca foi abordado por uma Cougar?


Aí você, ninfetinha de 18 anos que se acha a última bolacha do pacote, pode estar se perguntando: "Mas elas têm tudo caído! Como um homem pode preferir uma coroa a mim?"


É simples. Entenda as vantagens das MILFs:


Você já viu essa senhora. Só que sem roupa.
- Compensam rugas com experiência - Vivemos numa época em que Botóx e Silicone são tão comuns quanto 9vinhas piriguetes. Problem Solved.


- Não têm medo de experimentar - Nojinho é uma palavra fora do vocabulário de quem já trocou fraldas a rodo.


- Kilometragem - Se é preciso treinar 10 mil horas para se tornar expert em algo, elas estão muito mais perto da perfeição que você.


Conclusão:
É preciso muito Papai-e-Mamãe para se tornar uma MILF, novinhas. 
A competição não está fácil para vocês.




P.S.: Caro leitor, tenha calma antes de sair caçando fotos de MILFs por aí. Você pode se surpreender.




*Fonte: Wikipedia

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Dica de música #1

Inicio neste post a Seção: Dica de Música, onde vocês poderão buscar inspirações musicais e aproveitar para atualizar seus respectivos iPods.
A idéia é indicar músicas para serem escutadas em situações diversas (durante o Jeb*, para ouvir na academia, etc), então vamos ao que interessa:


Sugestão de hojeFlo Rida ft. Sia - Wild Ones
Quando vai bem? Durante um Jeb* bem "Wild".




"Hey I heard you were a wild one
Oooh
If I took you home
It'd be a home run
Show me how you'll do

I want to shut down the club
With you
Hey I heard you like the wild ones
Oooh"


Gostou da nova Seção? Comente!