domingo, 31 de julho de 2011

Sexo não é tão essencial para um relacionamento - Papo de Homem

Não que eu concorde muito com o título do texto que li na revista virtual Papo de Homem (PdH), mas vale a pena ler o artigo todo antes de tirar suas próprias conclusões.
Postarei aqui apenas um excerto, mas que já serve pra dar o tom do artigo todo:


Estamos habituados a pensar e sentir que um relacionamento é bom quando tem paixão, sexo, intensidade, e que não é bom quando não tem essas coisas.
Diante da ausência desse calor, normalmente ficamos aflitos e 1) tentamos recuperar a intensidade, “apimentar a relação” (o que obviamente não dura), 2) acabamos a relação e procuramos outra que tenha “química” (para repetirmos o problema mais tarde), 3) tentamos estabelecer outra base para a relação, que não tenha sexo e paixão como eixo principal.Claro, não é um problema existir paixão, sexo e intensidade. É excelente. O problema é acreditar que isso seja a melhor base para o relacionamento, o melhor critério de qualidade, que sem isso algo esteja errado.Não há como sustentar o jogo sexual por muito tempo (e nem é preciso). Se apostarmos nisso e o tomarmos como referencial, quando ele flutuar – e ele vai flutuar – vamos dizer que a relação entrou em crise, perdeu qualidade. Ora, quem disse que esfriar é algo negativo?

Fogo eterno só em GIF

“O antídoto para a apatia não é “manter o fogo”, prolongar a paixão inicial, “apimentar a relação”. Focar no próprio relacionamento, usar a criatividade, explorar fantasias, viajar junto; tudo isso funciona, claro, mas não dá para manter tal frescor por muito tempo. O antídoto para apatia em um casal encontra-se na vida dele e na vida dela, não tanto no próprio casal. Está mais no “Eu” e menos no “Nós”.
Se ele se movimenta de modo positivo, se tem brilho nos olhos, se enriquece a vida dos outros, se anda no mundo com uma visão ampla. Se ela está sempre em desenvolvimento, cada vez mais inteligente, radiante e livre, se dança pelo mundo, se também tem brilho nos olhos e sentido na vida. É isso o que livra o casal da apatia: a energia que eles movimentam por si só, sem o apoio do outro. É essa a energia que eles trazem para a relação, que se multiplica quando vira “Nós”.”
Para ler o texto na íntegra, acesse o link abaixo:

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Só pra variar...

Desde garotos, "variar" faz parte de nosso repertório. Quando você mal havia começado a ler, já folheava aquela revista feminina no cabelereiro - à espera de sua mãe - sem entender bulhufas: "Não caia na rotina! 20 dicas infalíveis para manter seu parceiro satisfeito!". Um pouco mais tarde, lá pelos 14 anos, enjoou de ficar com uma menina só. Pra variar, começou a freqüentar bailinhos e festas de 15 anos, atrás de novas ficantes. Até que descobriu a "micareta" e sua variedade de cores, bocas e línguas. A saga continuou em Porto Seguro, na viagem do terceiro ano e no ínicio das festas de faculdade. Sempre variando.
Mas eis que você virou um Homem. E cansou dessa vida errante e cheia de sapinho. Começou a dar mais valor para as peguetes e se acabou...namorando sério.

Só que a variedade já está incorporada em nossas mentes e...não é nada fácil se livrar desse vício.
E coincidentemente, voltamos à estaca inicial:
"Não quero cair na rotina! Existem dicas infalíveis para eu não enjoar da minha parceira?"


1 - Varie de posição
O Kama Sutra não faz sucesso à toa. Você não precisa ter um desempenho de Diego Hipólito na cama (até porque, nesse caso, não vai gostar da fruta...hehe), mas variar as posições é essencial para que um jeb seja bom a longo prazo.
Hummmm....
Uma hora você vai enjoar do papai-e-mamãe. Outra hora de frango assado. Ninguém come a mesma coisa em todas as refeições e acha prazeroso.
Não enjoe de mim, tá? Fiz até bronzeamento.
É claro que dependendo de onde você está, as limitações espaciais podem prejudicar sua criatividade. É aí que entramos no segundo ponto:

2 - Varie de local
Seu quarto é legal. Mas não tem espelho no teto, por exemplo.
A banheira do seu apartamento é gostosa. Mas não é tão grande quanto a do banheiro dos pais dela.
A mesa de jantar é dura, o chão é gelado e a pia pode quebrar. E daí?
Inove.
Quem não tem cão, caça com gato...né?

3 - Varie o Grau de Risco
Aproveite quando seu sogro resolveu dar um rolê no parque e disse que voltava "rapidinho".
A cama dele estará disponível.
Escadas escuras, elevadores quebrados, estacionamentos lotados, vizinhos olhando.
Se existe a chance de ser pego, não hesite...Just fucking do it.
Toda essa adrenalina colabora para "inesquecibilidade" do momento.

Enfim...Não sou muito experiente na arte da monogamia, mas entendo bastante da arte de enjoar das repetidas.
Varie com sua ficante, peguete, noiva, esposa, coroa, amante, MILF, vizinha ou V.Ó.
É a melhor solução para não ter que variar entre elas.

E você? Qual outra dica daria...só pra variar?

domingo, 10 de julho de 2011

O que acontece ao seu redor enquanto você namora?

Namorar é bom...ter alguém pra cuidar e se sentir cuidado, ter uma boa companhia disposta a te dar apoio a qualquer hora ou simplesmente ter alguém pra conversar quando bate aquela carência. Apesar de não ser nem um pouco especialista no assunto, vez e outra me atrevo a escrever sobre relacionamentos monogâmicos (já até fiz um post "Pós-Namoro" sobre os prós e contras de se namorar) e, mais uma vez, retratarei um tema relacionado e que me incomoda bastante: pessoas que namoram desde cedo e não aproveitam a adolescência como se deve. Afinal, "O que acontece ao seu redor enquanto você namora?"

1 - Sua juventude
Você envelhece. Não estou falando da sua forma física, mas sim das oportunidades que você perdeu enquanto namorava desde os 13 ou 14 aninhos quando se viu perdidamente apaixonada por aquele menininho-bonitinho-com-carinha-de-justin-beber-e-pele-de-bebê e resolveu engatar um mance sem fim.
O tempo passa e você não pode não ter aproveitado - do jeito que devia - o colegial (e a tão esperada "Viagem pra Porto"), o começo da faculdade, as formaturas e todo o resto  porque estava presa a um namorico sem perspectiva. Você não aproveitou as chances de sair com suas amigas enquanto elas despirocavam loucamente noite afora em baladas e bares. Você provavelmente sentirá falta da época em que você não tinha que trabalhar 24-7 e podia ir na sessão pipoca, assistir Malhação ou ficar de tititi no telefone com as BFFs.


WTF????


2 - Seu  corpo
Você olhará no espelho e verá que a Gravidade é sua inimiga. Com o passar do tempo, seus lindos peitinhos de mocinha com 17 pra 18 anos vão cair. Celulites, estrias e pneuzinhos farão parte de sua rotina. Você não resistirá à tentação de um Big Mac + Fritas + Coca-Cola.
E você verá que pode ter perdido uma das melhores épocas de sua vida, em que até o pai da sua melhor amiga pensava em você quando se masturbava...ao melhor estilo Kevin Spacey em Beleza Americana.


American Beauty Dance Scene

3 - Seu charme
O Sex Appeal. Tudo que foi dito acima não se torna um grande problema na sua vida se você sabe conquistar um homem, se você tem aquele charme irresistível que acompanha todo "Mulherão". Não é preciso ser Smoking Hot pra deixar muitos caras caídos por você. Basta um bom trato no visual e aquele jeitinho meio meigo, meio arrogante e pronto: uma fila de tontos babando por você baterá na sua porta.
Mas, eis que você olha pro espelho e se pergunta: "Cadê a porra do meu Sex Appeal?". Todo aquele tempo perdido namorando o menininho que não se desenvolveu e você tanto criticou ao terminar, também te prejudicou. Você, por estar sempre segura na relação, não desenvolveu aquele charme necessário para a sobrevivência de uma fêmea na selva de pedra que vivemos hoje em dia.


Cadê a p**** do meu Sex Appeal?

Sorte sua se você acertou logo a e se casou com seu primeiro namorado...mas se você se sentiu mal ao final desse post, nunca é tarde para recomeçar, right?


Dica de música:
Boyce Avenue - Superman (Five for Fighting Cover)