domingo, 20 de março de 2011

Ressaca Pós-Carnaval

Ao final de todo carnaval, o que restam são muitas histórias engraçadas, ressaca moral e física e algumas lições aprendidas. A maioria dos jovens se sente “só o pó” depois de tanta festança e anseia pelo leite-com-pêra batidinho pela mamãe (aliás, quem foi o gênio que batizou o último dia do Carnaval como Quarta-Feira de Cinzas? Que nome mais pertinente, não?).
Espero que você tenha aproveitado as dicas que deixei aqui no blog antes de viajar e tenha se divertido à vera no feriado. Espero também que a chuva não tenha transformado o feriado mais agitado do ano em um Spa relaxante de 4 dias de pura meditação. Descansar no carnaval é para os fracos.
Mesmo não sendo fácil retomar a rotina, somos obrigados a fazê-la porque, afinal de contas, o ano começou. Escola, trabalho, atividades físicas e...bem menos putaria.  E é justamente o contraste entre o êxtase do Carnaval e a rotina chata que sempre me faz indagar:
  • Por que não existe carnaval o ano todo?

A quebra das regras morais e a putaria-alcoolizada-generalizada vivenciada no carnaval só é possível por acontecer uma vez ao ano. Se acontecesse todo fim-de-semana, a festa perderia o glamour, cansaríamos de tanta zueira e no terceiro FDS nossos corpos já estariam gritando “PARA PORRA”.
  • Por que as barreiras sexuais caem no carnaval?

Minha teoria é que os maiores pólos carnavalescos atraem nesse feriado um número muito grande de pessoas desconhecidas entre si. O alto nível alcoólico desses corpos estranhos os impelem a se atracarem sexualmente e o fato de não terem reputação alguma a zelar, faz com que partam pro tudo ou nada.
  • Qual o melhor carnaval: Com ou sem abadá?

De acordo com minha experiência carnavalesca (que considero mediana, ou seja, ainda não sou um EXPERT mas posso dar meus pitacos), as melhores festas para os solteirões de plantão rolam nas cidades como Diamantina ou São Luiz do Paraitinga. Essas cidades reservam boa parte de seu espaço carnavalesco para quem quiser dar uma passadinha por lá, sem necessidade de comprar abadá para o bloco do Camaleão, dos Chicleteiros ou da Gaiola das Loucas. A ausência de abadá faz com que a massa se aglomere nos locais mais agitados e todos tenham igualdade de diversão, atraindo todos os grupos locais, repúblicas e turistas para o FERVO.
Quanto menos elitizado, menos regrado e menos controlado por empresas que querem apenas lucrar, melhor. Carnaval é a festa do povo, não apenas das elites que curtem a festa à distância em seus camarotes. E não estou sozinho nessa discussão. 

Por último, gostaria de deixar registrado que em 2011, Diamantina viu nascer um novo ídolo. Depois de JK, poucos marcaram mais essa cidade que o Chapolin Colorado alcoolizado registrado por vários foliões, dançando sozinho nas ladeiras de Diamantina ao amanhecer. Cliquem no link para ver o vídeo.



Um Gênio Incompreendido

E é como um sábio conhecido disse: "Agora vem aquele intervalinho chato entre o Carnaval e o ano novo".

Dica de música:

Los Hermanos e Belchior - À Palo Seco (Altas Horas)

Um comentário:

  1. Concordo que o Carnaval é a melhor festa de solteiros do mundo, mas não é só em Diamantina, nem São Luís de Paraitinga que tem os melhores carnavais. Melhores carnavais são quando estamos em melhores cias e melhores cidades. Já passei ótimos Carnavais em Serra Negra, Araxá, Itajubá, Promissão, Rio de Janeiro, Muriqui e outras. Experimente essas cidades e depois me fale.

    ResponderExcluir