terça-feira, 16 de novembro de 2010

5 volantes contra 1 atacante

Voltando a escrever após um tempo afastado e ainda me recuperando de uma fratura de metacarpo e outros "cast matters", sinto que levarei ainda certo tempo para me readaptar plenamente à sociedade e seus dilemas. Me senti quase como um preso que sai da solitária e reencontra a luz.
Logo que saí do meu enclausuramento particular, procurei rever minha lista de contatos, baladas e afins. É então que nessas andanças me deparei com algumas situações nem sempre agradáveis e decidi que devia listar algumas dicas, "no que se refere" a alguns dos erros mais comuns cometidos pelas damas que tenho observado nessa volta à ativa:
  • Gerar expectativa demais: "A expectativa é a pior inimiga do resultado positivo"(Isso me lembra a recente interpretação alcoolizada da frase de Eduardo Sterblitch no Programa do Jô - "O inimigo do bom é o melhor"). Quando se cria uma expectativa para certo acontecimento, todos os sentimentos envolvidos se amplificam. Mal comparando, imagine uma festa que você planeja ir há meses. A expectativa gerada é altíssima. Porém, no dia marcado, chove pra caramba e a música está desanimada demais. Poderia ter sido uma festa normal, como outras tantas, mas pelo fato da expectativa ter sido alta, o que era ruim se tornou muito pior. Minha dica: não divulgue para suas amigas que você pretende fazer algo que pode não cumprir.
  • Demonstrar "pré-indisposição": por mais que você tenha saído com um cara com a idéia de "travar o jogo no meio-de-campo" ou "deixar o freio-de-mão puxado", não demonstre pra ele que você planejou isso. Simplesmente deixe ele pensar: "Putz, não rolou hoje...mas estou no caminho certo". Deixar fluir e saber liberar aos poucos são virtudes muito admiradas pelos homens. Minha dica: nunca diga abertamente que "por aquela noite é só aquilo".
  • Não mostrar um mínimo de interesse por cultura: por mais que você não goste de política, todo homem admira uma mulher que conversa sobre tudo. Assim como nenhuma mulher gosta de um cara que só fala de futebol, nós não apreciamos uma barbie que só pensa em dinheiro, American's Next Top Model ou comédias românticas.  Você tem todo o direito de não gostar de filmes politizados e violentos - vide Cidade de Deus e Carandiru, mas não diga que é "porque não tem interesse". Minha dica: LEIA!
Fico no aguardo de críticas feministas que rebatam meus argumentos machistas e verídicos.

5 comentários:

  1. American's Next Top Model - obrigada pela parte que me toca!

    ResponderExcluir
  2. Não achei machista! Gostei!

    ResponderExcluir
  3. Melhor que o anterior...

    ResponderExcluir
  4. Nem é tao machista assim... estou de acordo c/ boa parte do que escreveu!
    beijo

    ResponderExcluir