sábado, 29 de maio de 2010

O lado masculino da coisa

Recebi um e-mail, há poucos dias, falando sobre como as mulheres sofrem ao se prepararem para sair com algum cara, quando recebem um convite para jantar, por exemplo. O texto do e-mail é bem exagerado e apesar de eu concordar com várias coisas serve de alerta para nós, homens, NUNCA cancelarmos uma saída  já combinada porque a preparação por parte das mulheres é estressante e seu resultado não dura mais que uma noite...de manhã a maquiagem, cabelos arrumados, perfume escolhido a dedo e tudo mais vira "abóbora". O e-mail começava assim:


"JANTAR COM A MULHER
Quando um homem chama uma mulher para sair, não sabe o grau de estresse que isso desencadeia em nossas vidas. O que venho contar aqui hoje é mais dedicado aos homens do que às mulheres. Acho importante que eles saibam
O que se passa nos bastidores. Você, mulher, está flertando um Zé Ruela qualquer. Com sorte, ele acaba te chamando para sair. Vamos supor, um jantar.

Ele diz, como se fosse a coisa mais simples do mundo 'Vamos jantar amanhã?'.
Você sorri e responde, como se fosse a coisa mais simples do mundo: 'Claro, vamos sim'.
Começou o inferno na Terra. Foi dada a largada. Você começa a se reprogramar mentalmente e pensar em tudo que tem que fazer para estar apresentável até lá. Cancela todos os seus compromissos canceláveis e começa a odisséia. 
Evidentemente, você também para de comer, afinal, quer estar em forma no dia do jantar e mulher sempre se acha gorda. Daqui pra frente, você começa a fazer a dieta do queijo: fica sem comer nada o dia inteiro e quando sente que vai desmaiar come uma fatia de queijo. Muito saudável."


O texto segue contando as etapas antes do jantar e como é doloroso o processo de: depilação, escova, chapinha, maquiagem, escolha de roupa, escolha de lingerie, dietas e academia. Porém, esse post é pra defender o lado masculino da coisa.
Mulheres que me desculpem, mas os homens sofrem muito, mas muito mais na academia. As mulheres sorriem enquanto os  homens fazem careta. Vocês sabem qual é o motivo de encararmos aquela barra de supino lotada de peso pelo menos 2x por semana? VOCÊS, mulheres.
Os homens que se cuidam (não posso generalizar porque alguns não ligam nem pra roupa que usam) passam também por outros problemas pré-encontros não relacionados à estética: a questão financeira. É sempre de bom grado que o homem pague pelo menos as primeiras saídas, seja um jantar num restaurante ou algumas bebidas num bar. Nesse momento, em geral, todo a questão dos "direitos iguais" da mulher fica de lado e voltamos aos primórdios onde o homem é o provedor de sustento para a família e bla bla bla. Isso sem contar que o homem gasta muito mais que a mulher ao sair, porque tem que pagar os jantares da vida e as baladas ainda são sempre mais caras.
Ainda relativo aos gastos do homem, entra em jogo o pós-jantar. Surge a idéia: "Vamos para o motel?". Muitas mulheres acham inadmissível rachar essa conta e se o homem sugerir isso, provavelmente não terá uma segunda vez. Eu concordo que a cordialidade masculina e os gentlemen estão cada vez mais escassos nos dias atuais. Mas peço que as mulheres entendam quando, às vezes, estamos duros e não podermos pagar por todos seus caprichos. Aqui vai uma dica importante, mulheres: ofereçam-se para pagar. Uma das piores coisas é jantar com alguém e na hora da conta, a mulher dar um "migué". E esse fato por si só, já incentiva o homem a falar: "Não não, por favor. Eu insisto em pagar a conta". Além disso, agindo assim torna-se muito mais fácil de se detectar se o cara é gentil ou não. 
Portanto, nós homens, temos SIM o direito de cancelar um enconto por N motivos. Seja porque aquele peso que você levantou no supino te deixou com torcicolo, porque nasceu uma puta espinha na cara, porque seu corte de cabelo te deixou orelhudo ou porque não se tem um puto na carteira. Ou até porque não se tem a certeza que o investimento feito a noite toda terá o retorno desejado. É o que chamo de investimento para dar um retorno = ativo/passivo (ativo sobre passivo). o//


Música do dia:
Jason Derulo - Watcha Say


Abaixo, o e-mail na íntegra:


"JANTAR COM A MULHER

Quando um homem chama uma mulher para sair, não sabe o grau de estresse que isso desencadeia em nossas vidas. O que venho contar aqui hoje é mais dedicado aos homens do que às mulheres. Acho importante que eles saibam
O que se passa nos bastidores. Você, mulher, está flertando um Zé Ruela qualquer. Com sorte, ele acaba te chamando para sair. Vamos supor, um jantar.

Ele diz, como se fosse a coisa mais simples do mundo 'Vamos jantar amanhã?'.
Você sorri e responde, como se fosse a coisa mais simples do  mundo: 'Claro, vamos sim'.
Começou o inferno na Terra. Foi dada a largada. Você começa a se reprogramar mentalmente e pensar em tudo que tem que fazer para estar apresentável até lá. Cancela todos os seus compromissos canceláveis e começa a odisséia.
Evidentemente, você também para de comer, afinal, quer estar em forma no dia do jantar e mulher sempre se acha gorda. Daqui pra frente, você começa a fazer a dieta do queijo: fica sem comer nada o dia inteiro e quando sente que vai desmaiar come uma fatia de queijo. Muito saudável.
Primeira coisa: fazer mãos e pés. Quem se importa se é inverno e você provavelmente vai usar uma bota de cano alto? Mãos e pés tem que estar feitos - e lá se vai uma hora do seu dia. Vocês (homens) devem estar se perguntando 'Mão tudo bem, mas porque pé, se ela vai de botas?' Lei de Murphy. Sempre dá merda.
Uma vez pensei assim e o infeliz me levou para um restaurante japonês daqueles em que tem que tirar o sapato para sentar naqueles tatames. Tomei no cu bonito! Tive que tirar o sapato com aquela sola do pé cracuda, esmalte semi-descascado e cutícula do tamanho de um champignon! Vai que ele te coloca em alguma outra situação impossível de prever que te obriga a tirar o sapato? Para nossa paz de espírito, melhor fazer mão é pé, até porque boa parte dessa raça tem uma tara bizarra por pé feminino. OBS: Isso me emputece. Passo horas na academia malhando minha bunda e o desgraçado vai reparar justamente onde? Na porra do pé! Isso é coisa de... Melhor mudar de assunto...

As mais caprichosas, além de fazer mão e pé, ainda fazem algum tratamento capilar no salão: hidratação, escova, corte, tintura, retoque de raiz, etc. Eu não faço, mas conheço quem faça.

Ah sim, já ia esquecendo. Tem a depilação. Essa os homens não podem nem contestar. Quem quer sair com uma mulher não depilada, mesmo que seja apenas para um inocente jantar? Lá vai você depilar perna, axila, virilha, sobrancelha etc, etc. Tem mulher que depila até o cu! Mulher sofre! E lá se vai mais uma hora do seu dia. E uma hora bem dolorida, diga-se de passagem.

Dia seguinte.
É hoje seu grande dia. Quando vou sair com alguém, faço questão da dar uma passada na academia no dia, para malhar desumanamente até quase cuspir o pulmão. Não, não é para emagrecer, é para deixar minha bunda e minhas pernas enormes e durinhas (elas ficam inchadas depois de malhar).

Geralmente, o Zé Ruela não comunica onde vai levar a gente. Surge aquele dilema da roupa. Com certeza você vai errar, resta escolher se quer errar para mais ou para menos. Se te serve de consolo, ele não vai perceber.

Alias, ele não vai perceber nada. Você pode aparecer de Armani ou enrolada em um saco de batatas, tanto faz. Eles não reparam em detalhe nenhum, mas sabem dizer quando estamos bonitas (só não sabem o porquê). Mas, é como dizia Angie Dickinson: 'Eu me visto para as mulheres e me dispo para os homens'. Não tem como, a gente se arruma, mesmo que eles não reparem.

Escolhida a roupa, com a resignação que você vai errar, para mais ou para menos, vem a etapa do banho. Depois do banho e do cabelo, vem a maquiagem. Nessa etapa eu perco muito tempo. Lá vai a babaca separar cílio por cílio com palito de dente depois de passar rímel.

Depois vem a hora de se vestir. Homens não entendem, mas tem dias que a gente acorda gorda. É sério, no dia anterior o corpo estava lindo e no dia seguinte... LEITOA! Não sei o que é (provavelmente nossa imaginação), mas eu juro que acontece. Muitas vezes você compra uma roupa para um evento, na loja fica linda e na hora de sair fica uma merda. Se for um desses dias em que seu corpo está uma merda e o espelho está de sacanagem com a sua cara, é provável que você acabe com um pilha de roupas recusadas em cima da cama, chorando, com um armário cheio de roupa gritando 'EU NÃO TENHO  ROOOOOUUUUUPAAAA'. O chato é ter que refazer a maquiagem. E quando você inventa de colocar aquela calça apertada e tem que deitar na cama e pedir para outro ser humano enfiar ela em você? Uma gracinha, já vai para o jantar lacrada a vácuo. Se espirrar a calça perfura o pâncreas.

Ok, você achou uma roupa que ficou boa. Vem o dilema da lingerie. Salvo raras exceções, roupa feminina (incluindo lingerie) ou é bonita, ou é confortável.

Você olha para aquela sua calcinha de algodão do tamanho de uma lona de circo. Ela é confortável. E cor de pele. Praticamente um método anticoncepcional. Você pensa 
'Eu não vou dar para ele hoje mesmo, que se foooda'. Você veste a calcinha. Aí bate a culpa. Eu sinto culpa se ando com roupa confortável, meu inconsciente já associou estar bem vestida a sofrimento. Aí você começa a pensar 'E se mesmo sem dar para ele, ele pode acabar vendo a minha calcinha... Vai que no restaurante tem uma escada e eu tenho que subir na frente dele... se ele olhar para essa calcinha, broxará para todo o sempre comigo...'. Muito p... da vida, você tira a sua calcinha amiga e coloca uma daquelas porras mínimas e rendadas, que com certeza vão ficar entrando na sua bunda a noite toda. Melhor prevenir.

Os sapatos. Vale o mesmo que eu disse sobre roupas: ou é bonito, ou é confortável. Geralmente, quando tenho um encontro importante, opto por UMA PEÇA de roupa bem bonita e desconfortável, e o resto menos bonito mas confortável. 
FATO: Lei de Murphy impera. Com certeza me vai ser exigido esforço da parte comprometida pelo desconforto. Exemplo: Vou com roupa confortável e sapato assassino. Certeza que no meio da noite o animal vai soltar um 'Sei que você adora dançar, vamos sair para dançar! Eu tento fazer parecer que as lágrimas são de emoção. Uma vez, um sapato me machucou tanto, mas tanto, que fiz um bilhete para mim mesma e colei no sapato, para lembrar de nunca mais usar!. Porque eu não dei o sapato? Porra... me custou muito caro. Posso não usá-lo, mas quero tê-lo. Eu sei, eu sei, materialista do caralho. Vou voltar como besouro de esterco na próxima encarnação e comer muito coco para ver se evoluo espiritualmente! Mas por hora, o sapato fica.

Depois que você está toda montadinha, lutando mentalmente com seus dilemas do tipo 'será que dou para ele? É o terceiro encontro, talvez eu deva dar...' Começa a bater a ansiedade. Cada uma lida de um jeito.

Tenho um faniquito e começo a dizer que não quero ir. Não para ele, ligo para a infeliz da minha melhor amiga e digo que não quero mais ir, que sair para conhecer pessoas é muito estressante, que se um dia eu tiver um AVC é culpa dessa tensão toda que eu passei na vida toda em todos os primeiros encontros e que quero voltar tartaruga na próxima encarnação. Ela, coitada, escuta pacientemente e tenta me acalmar.

Agora imaginem vocês, se depois de tudo isso, o filho da p..... liga e cancela o encontro? 'Surgiu um imprevisto, podemos deixar para semana que vem?'.

Gente, não é má vontade ou intransigência, mas eu acho inadmissível uma coisa dessas, a menos que seja algo muito grave! Eu fico p..., p..., PU...da vida!
Claro, na cabecinha deles não custa nada mesmo, eles acham que é simples, que a gente levantou da cama e foi direto pro carro deles. Se eles soubessem o trabalho que dá, o estresse, o tempo perdido... nunca ousariam remarcar nada.
Se fode aí! Vem me buscar de maca e no soro, mas não desmarque comigo! Até porque, a essas alturas, a dieta radical do queijo está quase te fazendo desmaiar de fome, é questão de vida ou morte a porra do jantar! NÃO CANCELEM ENCONTROS A MENOS QUE TENHA ACONTECIDO ALGO MUITO, MUITO, GRAVE! DO TIPO...MORRER A MÃE OU O PAI TER UM  AVC NO TRÂNSITO.

Supondo que ele venha. Ele liga e diz que está chegando. Você passa perfume, escova os dentes e vai. Quando entra no carro já toma um eufemismo na lata 'HUMMM... tá cheirosa!' (tecla sap: 'Passou muito perfume, porra'). Ele nem sequer olha para a sua roupa. Ele não repara em nada, ele acha que você é assim ao natural. Eu não ligo, porque acho que homem que repara muito é meio viado, mas isso frustra algumas mulheres. E se ele for tirar a sua roupa, grandes chances dele tirar a calça junto com a calcinha e nem ver. Pois é, Minha Amiga, você passou a noite toda com a rendinha atochada no rego (que por sinal custou muito caro) para nada. Homens, vocês sabiam que uma boa calcinha, de marca, pode custar o mesmo que um MP4? Favor tirar sem rasgar.

Quando é comigo, passo tanto estresse que chego no jantar com um pouco de raiva do cidadão. No meio da noite, já não sinto mais meus dedos dos pés, devido ao princípio de gangrena em função do sapato de bico fino. Quando ele conta piadas e ri eu penso 'É, eu também estaria de bom humor, contando piada, se não fosse essa calcinha intra-uterina raspando no colo do meu útero'. A culpa não é deles, é minha, por ser surtada com a estética. Sinto o estômago fagocitando meu fígado, mas apenas belisco a comida de leve. Fico constrangida de mostrar toda a minha potência estomacal assim, de primeira.

Para finalizar, quero ressaltar que eu falei aqui do desgaste emocional e da disponibilidade de tempo que um encontro nos provoca. Nem sequer entrei no mérito do DINHEIRO. Pois é, tudo isso custa caro. Vou fazer uma estimativa POR BAIXO, muito por baixo, porque geralmente pagamos bem mais do que isso e fazemos mais tratamentos estéticos:

Roupa............... ......... .......... .......... ........... ......... R$ 200,00

Lingerie.... ......... .......... ........... .......... ......... .........R$ 80,00

Maquiagem... ........... ............ ......... ......... ......... ....R$ 50,00

Sapato...... ........... .......... ......... ......... .......  .. ........R$ 150,00

Depilação..... ......... ......... ......... ......... .......  ..... .....R$ 50,00

Mão e pé........... .......... ......... ........... .......... ......   ...R$ 15,00

Perfume..... .......... ........... ......... ......... .......  .. .......R$ 80,00

Pílula anticoncepcional. ......... ......... ...... ..............R$ 20,00

Ou seja, JOGANDO O VALOR BEM PARA BAIXO, gastamos, no barato, R$ 500,00 para sair com um Zé Ruela. Entendem porque eu bato o pé e digo que homem TEM QUE PAGAR O MOTEL? A gente gasta muito mais para sair com eles do que ele com a gente!

sábado, 22 de maio de 2010

A comunidade secreta dos Pick-Up Artists

Outro dia, conversando com um amigo (TB), fiquei sabendo de uma entrevista no Programa do Jô com um "artista da sedução". Seu nome? Lourenço Zein. O Jô o ridicularizou, com razão (quem quiser ver o vídeo, clique aqui). Enfim, o assunto me enoja um pouco, mas acho que têm relevância dentro desse blog.
Lourenço não é o único. Os PICK-UP ARTISTS usam codinomes no "submundo da pegação" e são reverenciados pelas técnicas que usam para conquistar mulheres. Eles se consideram consultores no assunto e tem até um site!!! - Universidade da Sedução. No meu ponto de vista, são um bando de NERDs que decoraram técnicas para se aproximar das mulheres no objetivo de levá-las para a cama. Ainda não sei o que me enoja mais: se é o fato de existir uma comunidade secreta para isso, se é porque eles tentam escondê-la ou se é o fato de alguns irem a público se gabarem de serem "artistas da sedução".
Confesso que li um livro sobre o assunto, redigido por um repórter americano, chamado The Game - A Bíblia da Sedução. Este livro é de certo modo interessante, mais porque conta a história dessa comunidade secreta do que porque se pode aplicar as técnicas de conquista que eles mencionam na balada ou na paquera. Acho que por serem americanos meio Nerds, aconselham com naturalidade coisas como fazer mágica na balada, puxar o cabelo da mulher como forma de demonstração da força masculina e outras tosquices - o que não faz sentido algum aqui no Brasil.
Mas voltando ao assunto da Comunidade Secreta da Pegação e os consultores de paquera, se você tiver a oportunidade de assistir alguns vídeos no Youtube, verá que eles não se diferenciam muito de seus alunos, no sentido de que são meio robotizados e procuram, através das técnicas, achar soluções perfeitas para "pegar a mulherada" (além de todos aparentarem ser bobos). O engraçado é que eles vão na contramão do HITCH (o consultor amoroso vivido por Will Smith no cinema), que só aceitava ser contratado por caras que estavam muito apaixonados pelas suas musas inspiradoras. Essa postura de benfeitor do Hitch é um pouco exagerada, mas tem sua parcela de razão.
O ponto positivo desses "artistas da sedução" é que eles fazem com que homens totalmente durinhos e travados aprendam a conversar com o sexo oposto e sem querer, acabam ajudando essas pessoas em suas vidas, tendo maior auto-confiança, maior auto-estima e melhorias nos relacionamentos sociais e profissionais.
Minha indignação vem da banalização da sedução. Robotizar alunos a usarem técnicas de sedução para pegar nos pontos fracos das mulheres é ridículo. A questão é tornar o aluno legal, interessante, criativo, charmoso e isso não é coisa que se aprenda na Universidade (da Sedução haha). Ninguém precisa ser um Hitch ou Don Juan, desenvoltos na arte do amor. Mas acho que a naturalidade envolvida no processo de sedução é o que dá a graça, a emoção, a vivacidade da conquista. Não é legal "tomar um fora". Mas acho que aprender com os erros é provar-se humano. Escutei uma frase esses dias, numa rádio, que exemplifica bem meu ponto de vista quanto ao assunto: "Se não existe possibilidade de fracasso, então a vitória é insignificante".


Música do dia:
TREY SONGZ - Neighbors know my name

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Pegar irmã de amigo afeta a amizade?


Eis um tópico razoavelmente polêmico para o qual eu não tenho uma resposta imediata. E, por mais que pareça uma opinião "em cima do muro", acredito que a melhor resposta seria: "Depende".
Depende do quão amigo vc é dessa pessoa, do quanto o amigo é próximo da irmã (ou você é próximo da irmã do amigo), do quão piranha a irmã é, enfim, de várias razões. 

Mas vamos aos fatos. Sou o irmão mais velho de uma mina de 20 anos (Raquel). Em geral, o irmão mais velho zela pela irmã mais nova (ciúme) e, portanto, seria muito desagradável imaginar um amigo meu indo em casa não para jogar videogame comigo, beber uma breja ou trocar idéia, mas sim para PEGAR MINHA IRMà ¬¬.  Nesse caso, acho que a amizade seria afetada porque não consigo imaginar meu "amigo" sendo 100% sincero comigo e acho que se perde aquela cumplicidade e riqueza de detalhes de uma parceria verdadeira. Imagine uma comparação da conversa que tínhamos com a que viríamos a ter:

- Conversa quando ele pegava outras minas: "Cara, que noite! Fui pra uma balada, conheci uma mina muitooo gostosa e fomos pro apê dela. Comi ela até do avesso, até o amanhecer e vazei pra casa, sem dar um mango* pra ela".

- Conversa quando ele pegar minha irmã: "E aí, tdo bem? O que eu fiz ontem? Ah...fui com sua irmã no cinema, sessão das 20h00. Que horas voltamos? Ahhh...umas 3 e poko da manhã...filme longo...hehe"


Porém, como cada caso é um caso, vamos ao que a irmã é mais velha que o irmão. Geralmente, o irmão mais velho, independentemente do sexo dele, é quem tem mais regalias em casa (devido à lei do primogênito). Isso porque, até pela idade mais avançada, essa pessoa tende a começar a namorar mais cedo e a família acostuma-se a recepcionar paqueras, peguetes e rolinhos em sua casa. 
Nesse caso, acho possível que a irmã mais velha fique com os amigos do irmão, sem tanto stress. É fato que o irmão mais novo vai estar acostumado a ouvir que a irmã dele é gostosa e, na maioria dos casos, não tem tanto ciúmes dela também. 
Nessa análise estou excluindo a possibilidade de serem gêmeos, ok?

Do outro lado da moeda, temos minha situação. Nunca vi e nem tive nenhum problema em xavecar as amigas da minha irmã, ficar com elas ou até mesmo namorá-las. Mais uma vez, sou irmão mais velho e, portanto, acredito ter regalias nesse sentido. Por mais que digam o contrário, não acho que a amizade de alguma amiga com minha irmã seria afetada pelo simples fato de eu ter ficado com ela (OK, pode ter um viés aqui - pode não ser tão simples assim).

E por fim, vejo a situação em que o irmão mais novo fica com amigas da irmã mais velha. Na minha profunda análise, só consigo pensar em uma coisa. Palmas pra ele.

Somam-se a esses fatores, a propensão da irmã/irmã do amigo ser piranha e ficar com qualquer um a qualquer hora, sendo ou não amigo do irmão e casos em que os irmãos não se dão tão bem a ponto de um zelar pela outro (inexistência de ciúmes). 

Concluindo:
- Irmã mais nova x amigo do irmão mais velho - NOT OK
- Irmã mais velha x amigo do irmão mais novo - OK
- Irmão mais velho x amiga da irmã mais nova - OK
- Irmão mais novo x amiga da irmã mais velha - GENIUS

Música do dia:

sábado, 8 de maio de 2010

Método da eliminação de qualquer vestígio de lembrança


Deleta do Orkut. Apaga do Facebook. Para de seguir no Twitter.

São muitos os casos de pessoas que resolvem se desconectar das mídias sociais na tentativa de superar um mance* mal-sucedido, uma paixão mal-resolvida ou uma obssessão qualquer. Realmente, não é fácil conviver com memórias de uma relação acabada sem se lembrar o tempo todo do que já passou. Uma música romântica, um cheiro, uma foto ou qualquer coisa que remeta ao passado dos dois pode ocasionar uma pontada de tristeza e saudade. 
O método da eliminação de qualquer vestígio de lembrança consiste, em parte, em se desconectar da pessoa nas mídias sociais e remete à um processo maior de eliminar qualquer tipo de contato. Abaixo coloco uma lista de motivos que levam às pessoas saírem de cena nas redes sociais:

- Não ter que se deparar com a foto da pessoa na grade dos últimos contatos a se conectarem
- Não ter que ver as atualizações da pessoa no Orkut ou ficar tentado a fuçar os scraps dela
- Deixar de acompanhar a vida da pessoa através dos "tweets"
- Não ter que se deparar com a plaquinha do MSN Messenger subindo com o nome da pessoa

Contudo, acredito que essa desconexão não é necessária porque pode-se conviver muito bem se a pessoa te deixou boas memórias. O problema é quando não se consegue "esquecer" esse alguém. Nesse caso, a utilização do método acima exemplificado é muito útil. Aqui vai uma avaliação de ambos os lados:

- O ferido
Se você foi a pessoa ferida e que, portanto, deve estar tentando eliminar qualquer memória relacionada a quem te machucou, acho que o método é válido (acreditem, já fiz isso e sei de pessoas que já fizeram isso comigo). Por mais que o resto do mundo não te entenda, acho que limar* as memórias relacionadas à pessoa é parte do processo e, se lembrar dela realmente te incomoda, nada mais natural que agir assim.
- Quem feriu
Aceite como normal o fato da outra pessoa querer te limar* das mídias sociais. Não vá tachá-la de idiota ou imatura por causa disso. Se você pensa no bem da pessoa, vai ser melhor vocês se afastarem para evitar que ela sofra mais ou até para evitar maiores atrito. E se por um lado você perde um fã, por outro pode ganhar um amigo no futuro. Agora se você ainda quer que a pessoa sofra, são outros 500... o//

Portanto, considero normal esse tipo de postura por parte de quem foi ferido. Mas discordo quando dizem que num término de relacionamento essa eliminação de memórias é necessária. Se ambos concordam com o fim, podem muito bem conviver em sociedade normalmente, de maneira civilizada. Discordo também de quem fala que términos de namoro deveriam ser marcados por frases como: "Na boa, tô terminando com você porque você é todo errado" - como nesse vídeo do Ronald Rios. Acontece que, em alguns casos, duas pessoas não podem mais ficar juntas porque elas simplesmente não se entendem mais, apesar de se gostarem ainda. Mas isso é assunto pra um próximo post.

Música do dia: